Notas

2 - Otaviano tinha dezenove anos em 23 de setembro de 44 a.C.
3 - Durante o mês de outubro, ao oferecer uma recompensa de 500 denários, induziu os veteranos de César em Casilinum e Calatia a se alistarem e, em novembro, as legiões chamadas Martia e Quarta repudiaram Antônio e passaram a procurá-lo. Esta atividade de Otaviano, por iniciativa própria, foi ratificada pelo Senado em 20 de dezembro, por moção de Cícero.
4 - Na batalha de Mutina, 43 de abril. Augusto também pode ter pensado em Filipos.
5 - Por "facção" ele quer dizer Antônio, a quem ele nunca menciona pelo nome.
6 - Em 2 de janeiro de 43 aC, o Senado decretou que Otaviano deveria ser classificado como quaestório (Dio, XLVI.29, 41), deveria ser membro do Senado (Lívio, Epit. Cxviii), deveria ter a consularia ornamenta, e por isso deve dar sua opinião junto com os cônsules (Ap. BC III.51); ele também recebeu o título de propretor com imperium, ou seja, o direito constitucional de comandar soldados.
7 - Pansa morreu em decorrência de seus ferimentos, e Hirtius foi morto em combate nas operações sobre Mutina.
8 - Otaviano tornou-se cônsul em 19 de agosto de 43 a.C., depois de marchar com seu exército da Gália Cisalpina para intimidar o Senado. Em novembro, a nomeação de Otaviano, Antônio e Lépido como triúnviros foi ocasionada por sua chegada à cidade com as forças armadas.
9 - Júlio César.
10 - Pela Lex Pedia.
11 - As duas batalhas em Filipos.
12 - Ele está se referindo em particular à clemência que demonstrou após a batalha de Ácio, pela qual recebeu uma coroa de folhas de carvalho em 27 a.C. ob cives servatos.
13 - Dos 300.000 soldados que receberam aposentadoria honrosa do serviço, 120.000 haviam sido assentados em colônias no ano 29 a.C. (veja o capítulo 15); os 180.000 restantes devem, conseqüentemente, ter sido reunidos nos 42 anos seguintes de seu reinado. Quando daa morte de Augusto 25 legiões estavam em serviço (Tac. Ann. IV.5), ou cerca de 150.000 homens, excluindo as coortes pretoriana e urbana. Aqueles que foram mortos em batalha ou em serviço, portanto, totalizaram cerca de 50.000.
14 - De Sextus Pompeius em Mylae 30 navios (Appian v.108), e em Naulochus 283 (ib. 108); de Antônio em Ácio 300 (Plutarco, Ant. 68).
15 - "Bis ovans ingressus est urbem, post Philippense (40 a.C.) et rursus post Siculum bellum" (13 de novembro, 36 a.C.), Suet. Augusto 22. Uma ovação era um triunfo menor. Nisto, o conquistador entrou na cidade a pé ou a cavalo, em vez de na carruagem de quatro cavalos, como no caso do triunfo curule. Nota de Thayer: Para um tratamento abrangente da ovação, consulte o artigo Ovatio no Dicionário de Antiguidades Gregas e Romanas de Smith.
16 - "Curulis triumphos tris egit Delmaticum, Actiacum, Alexandrinum continuo triduo omnes" (13, 14, 15 de agosto do ano 29), Suet. Augusto 22. "Tres triunfos egit, unum ex Illyrico, alterum ex Achaica victoria, tertium de Cleopatra" (Liv. Epit. 133).
17 - Essas aclamações como imperator, para sucessos militares, não devem ser confundidas com o título de imperator prefixado ao nome de Augusto e seus sucessores imperadores. Mommsen dá a lista, Res gestae Divi Augusti, p11.
18 - Sob a República, o cônsul ou pretor, ao iniciar uma expedição, fazia seus votos na Capital; se aclamado imperator por suas tropas, ele enfeitava seus fasces com louros e, ao retornar, depositava a coroa no Capitólio.
19 - Nos três triunfos do ano 29 a.C. os seguintes nomes são conhecidos: Alexandre de Emesa, Adiatorix, o príncipe da Galácia com sua esposa e filhos, e Alexandre e Cleópatra, filhos de Cleópatra, cuja estátua foi carregada na procissão do triunfo egípcio (Gardthausen, Augusto i.473).
20 - Augusto ocupou seu 13° consulado em 2 a.C. Ele realizou sua 37 ° tribunicia potestas em 14 d.C.
21 - Dio (LIV.1.4) º diz a este respeito: “Quanto à ditadura, porém, ele não aceitou o cargo, mas chegou a rasgar suas vestes quando se viu incapaz de conter o povo de outra forma seja por argumento ou inimigo; pois, sendo superior aos ditadores no poder e nas honras que já possuía, acautelou-se devidamente contra o ciúme e o ódio que o título suscitaria ”(trad. de Cary). Veja também Vell. II.89.5.
22 - Ano 22 A.C.
23 - Segundo Dio (liv.1), a oferta da ditadura e o pedido para que Augusto se tornasse comissário do grãos foram feitos ao mesmo tempo. A crise foi causada pela conjunção de um transbordamento do Tibre, uma peste que interferiu na agricultura na Itália, e a conseqüente fome.
24 - Ano 19 A.C.
25 - Ano 18 A.C.
26 - Ano 11 A.C.
27 - Parece haver aqui um conflito entre a declaração de Augusto e a de Suetônio (Augusto, 27), que afirma ter recebido o regime de morum legumque in perpetuum, e de Dio (LIV.10.5) de que “aceitou uma eleição. .. para o cargo de supervisor da moral por cinco anos. " É provável que os dois escritores tivessem em mente os decretos do Senado (p355) oferecendo-lhe o título de praefectus moribus e sua legislação subsequente, enquanto Augusto tinha em mente sua recusa a um título novo e extraordinário, embora tenha cumprido o intuito em virtude de seu poder tribúnico.
28 - Agripa por cinco anos em 18 a.C. e novamente por cinco anos em 13 a.C., Tibério por cinco anos em 12 a.C., após a morte de Agripa, e novamente por cinco anos em 6 a.C. Seu tribunato foi aparentemente estendido duas vezes depois disso, cada vez por um período de dez anos.
29 - Nem as palavras "dez anos" ou "em sucessão" são muito exatas. O triunvirato começou em 27 de novembro de 43 a.C. O primeiro quinquênio deveria ter terminado no último dia 31 de dezembro de 38 a.C. Os triúnviros funcionaram de fato, mas não de iure, durante o ano 37. A renovação formal de cinco anos começou em 1º de janeiro de 36 a.C. e deveria ter terminado em 31 de dezembro de 32. Seu mandato de fato era, portanto, de onze anos; seu mandato de iure era dez, mas não consecutivo. Veja Gardthausen, ii.175.
30 - Augusto tornou-se princeps senatus em 28 a.C. No verão de 14 d.C., ele manteve o título por quarenta anos, sem contar as frações. Com ele, ele se tornou o senador graduado com o direito de falar primeiro no debate.
31 - Augusto tornou-se pontifex maximus em 12 a.C., quindecênviro entre 37 e 34, áugure em 41 ou 40, septemvir epulonum antes dos 15, fetialis em 32. Não se sabe quando ele se tornou um frater arvalis ou um sodalis Titius. Os três últimos colégios haviam caído em suspenso nos últimos dias da república e aparentemente foram revividos por Augusto.
32 - Ano 29 A.C.
33 - As três revisões de que ele fala aparentemente correspondem à realização do censo em 28 e 8 a.C. e em 14 d.C., mas o Senado também foi revisado em 18 a.C. e 4 d.C., ou seja, aproximadamente a cada dez anos. Veja Gardthausen, ii.311. A primeira dessas revisões é descrita por Dio, LII.42; Suet. Augusto. 35. Naquela época, o Senado havia atingido o pesado número de 1000 e continha muitos indesejáveis.
34 - Ano 28 a.C.
35 - O lustrum era o sacrifício expiatório feito no encerramento do censo; nas frases que se seguem, é sinônimo de censo. O censo não era realizado desde 69 a.C. Naquela época, o número de cidadãos em idade militar era de apenas 450.000. O aumento no censo de 28 a.C. é provavelmente devido à enumeração exata de cidadãos em todo o império.
36 - Ano 8 a.C.
37 - 14 d.C., três meses antes da morte de Augusto. O ganho no número de cidadãos nos vinte e dois anos desde o censo de 8 a.C. foi de 704.000.
38 - Cfr. Suetônio, Augusto 34 e 89. Entre essas leis, Suetônio menciona especificamente a lei suntuária, a lei relativa ao adultério e a castidade, a lei relativa ao suborno e aquela relativa ao casamento das ordens.
39 - Isso quer dizer "a cada quatro anos".
40 - De acordo com Suetônio (Suet. Augusto 81), Augusto sofria de problemas crônicos de saúde. A divindade invocada nesses votos foi o Actian Apollo. Esses jogos foram realizados pela primeira vez em 28 a.C. e depois celebrados em intervalos de quatro anos. Dio (liii.4) afirma que eles eram responsáveis ​​pelos seguintes quatro sacerdócios em sucessão: os pontífices, os áugures, o septemviri epulonum, o quindecênviros sacris faciundis.
41 - Uma moeda interessante, cunhada por L. Mescinius Rufus IIIvir, tem no reverso um cipo ou altar com as palavras IMP · CAES · AGU · COMM · CONS · (Imperatori Caesari Augusto communi consensu), e no anverso, com abreviaturas iniciais , a seguinte legenda: Iovi Optimo Máximo Senatus Populusque Romanus votum susceptum pro salute Imperatoris Caesaris quod per eum respublica in ampliore atque tranquilliore statu est.
42 - Mencionado por Dio, LI.20: "Quando chegou a carta sobre os partos (29 a.C.), eles providenciaram para que seu nome fosse incluído em seus hinos igualmente aos deuses."
43 - Na queda de Lépido em 36 a.C., o poder tribúnico foi dado a Otaviano, como fora a Júlio, pelo resto da vida. Um dos privilégios do tribuno era que sua pessoa fosse inviolável. Em 23 a.C. tornou-se anual e também perpétua, e a partir dessa época os anos de seu principado foram contados por ela.
44 - M. Lepidus (como Antônio nunca mencionado pelo nome) havia se apoderado do cargo de pontifex maximus quando da morte de César, (Lívio, Epit. Cxvii); Vell. II.63. Lépido morreu em 13 a.C. e a eleição de Augusto, como somos informados pelo fasti Praenestini, ocorreu em 6 de março de 12 a.C.
45 - Na volta de Augusto em 19 a.C. depois de resolver os assuntos da Sicília, Grécia, Ásia e Síria, muitas honras, de acordo com Dio, LIV.10, foram decretadas a Augusto, mas ele não aceitou nenhuma exceto as aqui mencionadas. O Altar da Fortuna Redux foi consagrado em 12 de outubro, e sua consagração foi celebrada com moedas cunhadas nesse ano. A Porta Capena é o portão pelo qual Augusto entrou na cidade, vindo do sul pela Via Ápia. Nota de Thayer: Para maiores detalhes sobre esses monumentos, veja os artigos Fortuna Redux e Porta Capena em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga; o último inclui uma fotografia recente dos restos do portão. Para a Augustalia, veja o artigo no Dicionário de Antiguidades Gregas e Romanas de Smith.
46 - Quintus Lucrécio Vespillo não era cônsul quando começou com a deputação. O ano tinha sido de turbulências na comitia consular e não fora eleito o segundo cônsul, Dio, LIV.10. Um dos objetivos da delegação era pedir a Augusto que aceitasse o consulado ou nomeasse alguém para ele. Sua escolha recaiu sobre Lucrécio, que era um dos delegados.
47 - Augusto esteve ausente por três anos na Espanha e na Gália, de 16 a 13 a.C. O altar foi construído na Via Flaminia, por meio da qual Augusto voltou à cidade, e formalmente dedicado em 30 de janeiro de 9 a.C. O local foi sistematicamente escavado em 1903. Para as agora famosas esculturas, ver Strong, Rom. Escultura, pp39‑58. Nota de Thayer: Para detalhes completos sobre o Ara Pacis, consulte o artigo Ara Pacis em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga; para muitas fotos, veja meu site com link, que por sua vez leva a uma lista de outros sites de Ara Pacis.
48 - A tradição registra que o Arco de Janus foi fechado pela primeira vez sob o comando de Numa. Foi fechado novamente após a Primeira Guerra Púnica em 235. Foi fechado novamente por Augusto após a Batalha de Ácio em 31 a.C., novamente em 25 a.C. após a Guerra da Cantábria. Não se sabe o ano do terceiro fechamento do arco. Ficava no Fórum no ponto onde a estrada Argiletum entra. Veja Virg. Aen. VII.607, xii.198. Nota de Thayer: Para detalhes completos sobre o Templo de Janus, do qual nenhum vestígio permanece, veja o artigo Janus Geminus em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
49 - Gaio (nascido em 20 a.C.) e Lúcio (nascido em 17 a.C.), filhos de Agripa e Júlia, filha de Augusto. Eles foram adotados por seu avô em 17 a.C. na época em que Agripa estava associado a Augusto na tribunicia potestas, garantindo assim a sucessão. Mas Agripa morreu em 12 a.C., Lúcio em 2 d.C. e Gaio em 4 d.C.
50 - No ano em que assumiram a toga virilis, Gaio em 5 a.C. e Lucius em 2 a.C. Augusto assumiu o consulado em cada um desses anos para introduzi-los na vida pública.
51 - Lucius morreu antes de chegar ao consulado. Gaio foi cônsul 1 d.C.
52 - Como seu pai adotivo era princeps senatus, cada um de seus filhos adotivos era chamado princeps iuventutis, ou o primeiro entre os jovens na classe dos cavaleiros. Parece ter sido mais uma honra do que um título oficial.
53 - Essa primeira doação foi em 44 a.C. O valor era $ 12,00 ou £ 2,8s. por homem, distribuído para pelo menos 250.000 pessoas.
54 - Em 29 a.C., por ocasião de seu triunfo triplo. O valor era de cerca de US $ 16,00, ou £ 3,6s. por homem.
55 - Em 24 a.C., em seu retorno da guerra na Espanha. O valor por homem era o mesmo de 29 a.C.
56 - Ano 23 A.C.
57 - 12 a.C., por ocasião de sua posse do cargo de Pontifex Maximus.
58 - Deve-se notar que o número de plebeus aqui é de um quarto de milhão. Na doação de 5 a.C. o número havia chegado a 320.000. A doação de 2 a.C. é para aqueles que recebem grãos públicos. Que esse número havia sido reduzido para 200.000 é atestado por Dio, LV.10.1.
59 - Em 5 a.C., por ocasião da apresentação de Gaius ao fórum. A quantia por homem é de cerca de US $ 9,60, ou cerca de £ 2 cada.
60 - Em 29 A.C. O valor é de cerca de $ 40.000 ou £ 8,5s.
61 - Em 2 a.C., por ocasião da apresentação de Lúcio ao fórum. $ 9,60 ou £ 2 por homem. A doação aos soldados quebra a narração cronológica das doações à plebe. Esta doação, portanto, parece uma adição posterior. Para uma discussão do problema, consulte a Introdução. O total dessas doações chega a algo mais de $ 27.000.000 ou cerca de £ 5.550.000.
62 - Em 30 a.C. depois de Actium, ele mandou de volta à Itália um destacamento de veteranos de seu próprio exército e do de Antônio. Estes soldados amotinaram-se em Brundísio e ele foi obrigado a regressar de Samos para resolver este motim, atribuindo aos veteranos mais antigos da Itália cidades que tinham favorecido António e dando dinheiro às restantes. Aqueles que foram assim desapossados ​​foram em parte reembolsados ​​pelas terras em Dirráquio e em Filipos e em parte pelos valores aqui mencionados. Veja Dio, LI.3.4; Suet. Augusto 17.
63 - Ano 14 a.C.
64 - $ 24.000.000 (cerca de £ 4.980.000) e $ 10.400.000 (£ 2.140.000), respectivamente.
65 - Os anos eram 7, 6, 4, 3, 2 a.C. O valor é de cerca de $ 16.000.000 (£ 3.329.000).
66 - Duas dessas quatro ocasiões são conhecidas por outras evidências. Dio Cassius, LIII.2, menciona o de 28 a.C. e uma moeda de 16 a.C. (cf. Eckhel, VII.105) tem a inscrição: "O Senado e o povo romano ao Imperator César porque as estradas foram pavimentadas com o dinheiro que ele contribuiu para o tesouro." O valor é de cerca de $ 6.000.000 (£ 1.234.000). Até 28 a.C. o tesouro estava a cargo dos questores. Daí até 23 a.C. estava a cargo de dois ex-pretores. Daquela época até o reinado de Cláudio, dois pretores estavam encarregados dele.
67 - Augusto fundou o aerarium militare em 6 d.C. Além de sua própria subvenção, no valor de $ 6.809.000 (cerca de £ 1.400.000), também era apoiado por um imposto de 5% sobre herança e um imposto de 1% sobre vendas. De 13 a.C. o tempo de serviço foi de 12 anos para pretorianos e 16 para legionários. Agora era aumentado para 16 e 20 anos, respectivamente. Nota de Thayer: Hoje, um imposto de propriedade de 5% e um imposto de vendas de 1% seriam considerados muito leves na maioria dos países. Nos Estados Unidos, os números são em geral cerca de 3 a 6 vezes mais; na Europa, são consideravelmente mais elevados, a ponto de as autoridades terem sido obrigadas a ocultar o imposto sobre vendas em um imposto sobre valor agregado (IVA) cobrado do comerciante - de modo que não apareça nos recibos de venda, tirando assim do mente do consumidor. Para mais confirmação disso em autores antigos, ver Cassius Dio, LV.25 (e minha nota); Plutarco, Ant. 58.1 (e minha nota); Appian, B. C. IV.34 (e minha nota); e também na Antiguidade Tardia, Hodgkin, Italy and Her Invaders2, III.424.
68 - Em 18 a.C.
69 - Esta é a Cúria Iulia dedicada em 29 a.C. no local da antiga Cúria Hostilia. Nota de Thayer: Para detalhes completos sobre a Cúria Julia - a casa do senado - veja o artigo no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby de Roma Antiga.
69b - Chalcidicum - portal de entrada das basílicas romanas.
70 - O Templo de Apolo foi iniciado logo após 36 a.C. (Vell. II.81) e dedicado 28 a.C. Para obter detalhes completos, consulte Aedes Apollinis Palatini em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
71 - No extremo leste do fórum, no local onde o corpo de César foi queimado. Dedicado em 18 de agosto de 29 a.C. Para obter detalhes completos, consulte Aedes Divi Iuli em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
72 - Anteriormente uma caverna na rocha no sudoeste do Palatino, onde a loba supostamente amamentou os gêmeos. Agora foi convertido em um ninfeu. Para obter detalhes completos, consulte o artigo Lupercal no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby da Roma Antiga. Curiosamente, o grego se refere ao Lupercal como Πανὸς ἱερόν: o santuário de Pã.
73 - Perto do teatro de Pompeu. Para o pórtico original construído por Otávio, que derrotou a frota de Perses em 168, consulte Vell. II.1. Para obter detalhes completos, consulte Porticus Octavia em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
74 - Uma restauração por sugestão de Ático, em 31 a.C., da capela próxima ao grande templo de Iúpiter Optimus Maximus, em que generais romanos penduravam as armas tiradas de seus inimigos mortos em combate individual. Para obter detalhes completos, consulte Júpiter Feretrius em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
75 - Dedicado em 1 ° de setembro de 22 a.C., para comemorar sua fuga milagrosa de um relâmpago durante sua expedição à Cantábria, de 26 a 25 a.C. Foi na entrada da Área Capitolina. Para obter detalhes completos, consulte Júpiter Tonans no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby da Roma Antiga.
76 - No Quirinal, dedicado em 16 a.C. Para obter detalhes completos, consulte Aedes Quirini no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby de Roma Antiga.
77 - Esses três templos no Aventino foram restaurações de templos anteriores. Para obter detalhes completos, consulte os seguintes artigos no Dicionário Topográfico da Roma Antiga de Platner e Ashby: Aedes Minervae • Juno Regina • Juppiter Libertas.
78 - Esses dois templos nas vizinhanças do último arco de Tito aparentemente desapareceram para dar lugar às colossais construções de Adriano e Constantino. Para obter detalhes completos, consulte os seguintes artigos no Dicionário Topográfico da Roma Antiga de Platner e Ashby: Templo dos Lares • Templo dos Di Penates; observe que um estudo cuidadoso de Whitehead e Biasiotti modificou o consenso acadêmico: o templo dos Penates, pelo menos, parece não ter ficado perto do Arco de Tito, mas do outro lado (norte) da Via Sacra.
79 - No Palatino em frente ao Circus Maximus, destruído por um incêndio em 16 a.C. Para mais detalhes, consulte o artigo Aedes Iuventatis no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby da Roma Antiga.
80 - Dedicado em 191 a.C.; destruído pelo fogo em 3 d.C.
81 - O templo de Iúpiter Optimus Maximus, construído de acordo com a tradição por Tarquinius Superbus, queimou totalmente em 83; a reconstrução foi iniciada por Sila e concluída por Catulus em 69 a.C. Para maiores detalhes, veja o artigo Aedes Iovis Capitolini no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby da Roma Antiga.
82 - O primeiro teatro de pedra em Roma, construído em 55 a.C. Continuou a ser o teatro mais importante da cidade. Para obter detalhes completos, consulte o artigo Theatrum Pompei em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
83 - Para essas restaurações dos aquedutos, ver Frontinus, De Aquis, 125, traduzido por Herschel.
84 - Dedicado junto com a Basílica Iulia por ocasião do triunfo após a batalha de Thapsus. Para obter detalhes completos, consulte o artigo Forum Iulium em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
85 - A basílica logo foi destruída por um incêndio. A reconstrução foi iniciada em 12 a.C. O nome posterior, basílica Gai et Luci, nunca ganhou aceitação geral. Para obter detalhes completos, consulte o artigo Basílica Iulia em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
86 - Augusto foi cônsul pela sexta vez em 28 a.C.
87 - Ano 27 a.C.
88 - Agora a Ponte Molle sobre o Tibre. A localização da Ponte Minucian não é conhecida. Na versão grega, essas duas pontes não são nomeadas, mas simplesmente referidas como "duas pontes que não precisam de reparos".
89 - Este templo foi prometido antes da batalha de Filipos, mas apenas concluído e dedicado em 2 a.C. Parte do templo ainda está de pé, como também parte da parede ao redor do Fórum. Para obter detalhes completos, consulte o artigo Forum Augustum no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby da Roma Antiga.
90 - O teatro de Marcelo no Campus Martius foi inaugurado em 4 de maio de 11 a.C. Marcelo morreu em 23 anos. Parte da parede externa ainda está de pé. Para obter detalhes completos, consulte o artigo Theatrum Marcelli em Platner e o Dicionário Topográfico de Ashby da Roma Antiga.
91 - Suet. Augusto 30, afirma que com uma única doação ele presenteou o templo de Iúpiter Capitolino 16.000 libras de ouro (64.000.000 sestércios) e, além disso, joias e pérolas totalizando 50.000.000 de sestércios. Que tais declarações foram grosseiramente exageradas é mostrado pelo fato de que suas doações totais, 100 milhões de sestércios ($ 4.000.000 ou £ 800.000) ficaram aquém do valor relatado para este único presente.
92 - Se tornou costume que as cidades afetadas por uma vitória dassem coroas de ouro a um imperador triunfante. Essas coroas parecem ter sido trocadas mais tarde por dinheiro, que foi chamado de coronarium aurum. A quantia aqui nomeada, 35.000 libras, corresponde ao número das tribos e parece ter vindo delas. A ocasião foi seu triunfo em 29 a.C. Para obter mais detalhes, consulte o artigo Aurum Coronarium no Dicionário de Antiguidades Gregas e Romanas de Smith.
93 - Destes oito shows de gladiadores, sete são mencionados em outras fontes: 29 a.C., por ocasião da dedicação do templo de Júlio; 28 A.C .; 16 A.C .; 12 a.C., em homenagem a Caio e Lúcio; 7 A.C .; 2 a.C., na dedicação do templo de Marte Vingador; 6 d.C., em homenagem ao Druso mais velho.
94 - Suet. Augusto 43, afirma que em uma ocasião (provavelmente 28 a.C., cf. Dio, LIII.1) assentos de madeira para os espectadores foram erguidos no Campus Martius. Não se sabe qual neto, seja Germânico ou Druso, referido em conexão com a terceira exposição.
95 - Eram os jogos habituais de circo e teatro oferecidos pelos magistrados ao assumirem seus cargos.
96 - A quinta celebração dos jogos seculares, de 1 a 3 de junho de 17 a.C. Uma inscrição relatando essa celebração do final do século foi encontrada em 1890, CIL VI.32, 323. Para um relato interessante, ver Lanciani, Pagan and Christian Rome, p73.
97 - Ludi Martiales, celebrado pela primeira vez em 2 a.C., por ocasião da dedicação do templo de Marte Vingador.
98 - O Naumachia Augusti estava do outro lado do Tibre a partir do canto inferior do Aventino. A atual igreja de S. Francesco a Ripa está localizada perto de um foco da elipse e a de S. Cosimato perto do outro. Foram encontrados vestígios do pavimento e das paredes de travertino. O abastecimento de água foi feito pelo Aqua Alsietina, de 33 quilômetros de extensão, construído por Augusto expressamente para esse fim. Para maiores detalhes, veja os artigos Naumachia Augusti e Aqua Alsietina no Dicionário Topográfico de Platner e Ashby da Roma Antiga.
99 - Para este espetáculo, ver Vell. II.100. A data era 2 a.C., por ocasião da dedicação do templo de Marte Vingador. Dio, LV.10, afirma que a luta representou uma batalha de atenienses e persas, e que os primeiros saíram vitoriosos.
100 - Em Actium em 31 a.C.
101 - Antônio nunca é mencionado pelo nome. Ele havia roubado as estátuas e ornamentos de vários templos em Samos, Éfeso, Pérgamo e Rhoeteum, na província da Ásia, e os dado a Cleópatra. Cf. Dio, LI.17.
102 - Para o derretimento dessas estátuas, ver Suet. Augusto 52, e Dio, LIII.52. Suetônio diz que essas ofertas de ouro eram tripés.
103 - Ele está se referindo à guerra com Sexto Pompeu, encerrada em 36 a.C. O séquito de Pompeu era formado em grande parte por escravos fugitivos, e sua frota, assim tripulada, havia cortado as frotas de grãos a caminho de Roma. Veja Vell. II.73.
104 - Em outras palavras, todas as províncias da metade do Império governadas por Otaviano.
105 - O número de senadores naquela época era de cerca de mil.
106 - As extensões incluíram: o avanço temporário da fronteira alemã do Reno ao Elba; a criação das novas províncias de Panônia e Moésia; a adição das novas províncias da Galácia e Paphlagonia na Ásia Menor; a expedição de Aelius Gallus à Arábia Félix; e na África, além da anexação formal do Egito, algumas expedições menores pelos vários pró-cônsules.
107 - Nas expedições gaulesa e cantábrica do próprio Augusto, 27-25 a.C., na de Carrinas contra os Morini, de Messala contra os Aquitani, 27 a.C., e nas numerosas campanhas na Alemanha, particularmente de Druso e Tibério. Pacavi poderia se inscrever na Germânia apenas por um breve período.
108 - Em Torbia (Tropaea Augusti), perto de Mônaco, erguia-se um monumento, do qual agora só existem fragmentos, comemorando a subjugação dos povos alpinos. Plínio, NH III.20.136, preservou a inscrição: "O Senado e o povo romano a César ... Augusto ... porque, sob sua liderança e auspícios, todas as nações alpinas do alto ao baixo mar foram submetidas à sujeição para o povo romano. " Segue-se uma lista de quarenta e seis povos. Nota de Thayer: Torbia é o nome italiano moderno de la Turbie, uma pequena cidade em uma altitude com vista para Mônaco, que deve seu nome ao troféu romano (tropaea). A cidade foi transferida para a França em 1860, cerca de sessenta anos antes de a nota do tradutor ser escrita. Para cidades e monumentos, consulte as páginas do BeyondProvence.
109 - Para esta expedição naval ao Elba em 5 d.C., consulte Vell. II.106. Os Cimbri habitavam a costa de Schleswig e Jutlândia, os Charudes (o texto grego dá "Chalybes") eram seus vizinhos próximos e os Semnones estavam localizados entre o Elba e Weser.
110 - A expedição árabe de Aelius Gallus, 25‑24 a.C. As duas outras partes foram chamadas de Arabia petraea e Arabia deserta.
111 - A rainha Candace, aproveitando a retirada das guarnições egípcias para a expedição árabe, capturou algumas cidades no alto Egito. Eles foram retomados por C. Petronius, 24-22 a.C. Sua expedição punitiva penetrou na Etiópia.
112 - No sul da Arábia.
113 - Em 30 a.C., depois de Ácio. Antes dessa época, o Egito tinha sido um reino nominalmente independente, embora, de certa forma, um protetorado romano. Desde 57 a.C., quando Ptolomeu Auletes foi restaurado, uma considerável força romana foi mantida lá. Depois de Actium, o Egito, ao contrário de outras províncias, foi tratado como domínio pessoal do imperador. Para o status peculiar do Egito como parte do império, ver Arnold, Roman Provincial Administration, p113.
114 - Em 20 a.C. Veja Vell. II.94.
115 - Foi na luta de facções que se seguiu à colocação de Artavasdes que Caio recebeu o ferimento do qual morreu em fevereiro, 4 d.C.
116 - Para a complicada questão da sucessão na Armênia, ver Mommsen, Res Gestae, pp109-117.
117 - Antônio recebera pelo tratado de Brundisium em 40 a.C. Macedônia, Acaia, Ásia, Ponto, Bitínia, Cilícia, Chipre, Síria, Creta, Cirenaica. Os últimos cinco ele entregou a reis estrangeiros. Essas alienações de território estrangeiro foi a causa da guerra civil que terminou em Actium.
118 - Com a derrota de Sexto Pompeu em 36 a.C.
119 - Para essas colônias de Augusto, ver Mommsen, Res Gestae, pp119-222; também Hermes, xviii.161 ss.
120 - Os estandartes perdidos para os dálmatas durante as guerras civis de Gabinius em 48 a.C. e Vatinius em 44 a.C. foram restaurados para Augusto em 23 a.C. Não temos conhecimento dos estandartes perdidos na Gália. A perda de estandartes na Espanha ocorreu durante as guerras com os filhos de Pompeu, e a recuperação deve ter ocorrido na campanha da Cantábria de 25 a.C.
121 - De Crasso em Carrhae em 53, de Antônio em 40 e 36 a.C. Os estandartes foram restaurados por Fraates, o rei parta, em 20 a.C.
122 - Somente após sua conclusão em 2 d.C. Eles foram temporariamente colocados no Capitólio.
123 - O próprio Augusto havia lutado contra os panonianos em 35-34 a.C. Ver Dio, XLIX.36‑38.º
124 - Entre 12-9 a.C.
125 - Os dácios invadiram o território romano muitas vezes durante o final da república. Júlio César estava prestes a fazer uma expedição contra eles. Augusto, em 35 a.C., ocupou Segesta em Save como um posto avançado contra as invasões. Eles figuram na guerra civil como aliados de Antônio. Ele está se referindo provavelmente a uma invasão em 10 a.C. Veja Dio, LIV.36.
126 - Duas dessas embaixadas são mencionadas: a primeira, frequentemente mencionada na literatura de Augusto, enquanto Augusto estava na Espanha, 26-25 a.C.; a segunda o visitou em Samos, 20 a.C.
127 - Os Bastarnae eram um povo teutônico que então se estabeleceu na foz do Danúbio. Os citas viviam no sul da Rússia.
128 - The Don.
129 - No Mar Cáspio.
130 - No que hoje é a Geórgia.
131 - Ano 26 a.C.
132 - Ano 20 a.C.
133 - Ano 31-30 a.C.
134 - Um povo assírio, mencionado aqui pela primeira vez.
135 - Provavelmente o mesmo Dumnobellaunus cujas moedas foram encontradas na Inglaterra. Cf. J. Evans, Coins of the Ancient Britons.
136 - Os Sugambri, uma tribo alemã que vivia a leste do Reno, foram finalmente derrotados em 8 a.C. e transferidos para a margem oeste.
137 - Era mesmo para afastar os filhos legítimos do caminho, para garantir a sucessão do filho ilegítimo Fraataces, cuja mãe era escrava italiana, presente de Augusto. A data era 10 a.C.
138 - Em 4‑5 a.C. os partos pediram que o trono, desocupado pela fuga de Fraataces (veja a última nota), fosse ocupado por Vonones, o filho legítimo de Fraates, então um refém em Roma. Para Ariobarzanes, ver cap. 27
139 - Anos 28 e 27 a.C. Nestes e nos anos seguintes, ele gradualmente se despojou de seus poderes extraordinários e se contentou com cargos comuns, mas ocupados de uma maneira extraordinária, como a tribunicia potestas e o imperium. Na forma, ele restaurou a república; em substância, o verdadeiro poder repousava sobre ele, talvez, em vista das circunstâncias, inevitavelmente. A declaração que ele faz aqui é claramente aquela que ele deseja que seja vista pela posteridade. De qualquer forma, os atos revolucionários e extraordinários do período triunviral cessaram, por seu próprio decreto (Dio, LIII.2), com o término de 28 a.C.
140 - 16 de janeiro de 27 a.C. O título foi sugerido por Munatius Plancus.
141 - Esta coroa, ou os louros, ou ambos, são representados em moedas. Ver Cohen, Nos. 43‑48, 50, 207‑212, 301, 356, 385, 426, 476‑478, 482. A maioria deles tem a inscrição Ob cives servatos. A coroa cívica era a recompensa do soldado que salvava a vida de um cidadão. Foi dado a Augusto porque, ao pôr fim às guerras civis e por sua clemência, ele salvou a vida de muitos cidadãos.
142 - Não mencionado por escritores antigos, mas representado em moedas e inscrições. Cf. CIL IX.5811, com duas vitórias apoiando um escudo e as palavras, "O Senado e o povo romano deram a Augusto um escudo por sua bravura, clemência, justiça e piedade." Kornemann em Klio, vol. XV, aponta que virtus, iustitia, clementia e pietas são os temas dos primeiros quatro capítulos do Mon. Anc.
143 - Concedido formalmente em 5 de fevereiro de 2 a.C. Antes disso, costumava ser chamado de pater, ou parens patriae informalmente. Suetônio, Augusto, 58, fala do discurso de Messala, incluindo a saudação real, "senatus te consentiens cum populo Romano consalutat patriae patrem".
144 - Augusto tinha 76 anos em 23 de setembro de 13 d.C. Cap.8 Mon.Anc. refere-se ao seu terceiro censo, que foi concluído cem dias antes de sua morte. Isso significaria que a data de sua escrita seria entre 11 de maio de 14 d.C. e sua partida para a Campânia. Augusto morreu em Nola, em 19 de agosto daquele ano.
145 - Este resumo, como Mommsen aponta, não é de Tibério, mas aparentemente de um dos magistrados locais de Ancira.
146 - O total das despesas mencionadas por Augusto a esse respeito foi de 2.199.800.000 sestércios. Os 600 milhões de denários - 2.400 milhões de sestércios - são, portanto, uma soma redonda. Veja Mommsen, Res Gestae, p157.
147 - Um resumo do Capítulo 19 e parte do 20. Os templos são mencionados primeiro para simplificar a construção gramatical, os outros edifícios ao acaso. O grego não corresponde ao latim: não há equivalente na versão grega para pulvinar ad circun, nem equivalente exato no texto latino para στοαὶ ἐν Παλατίῳ, στοὰ ἐν ἱπποδρόμῳ Φλαμινίῳ.
148 - Um resumo do cap. 20
149 - Resume Caps. 22, 23.
150 - Essas doações a cidades e a pessoas físicas não são cobertas por Augusto em sua conta. Os nomes de algumas das cidades auxiliadas são fornecidos pelos autores e inscrições: na Itália, Venafrum na Campânia (CIL X.4842) e Nápoles (Dio, LV.10); nas províncias, Paphos em Chipre, 15 a.C. (Dio, LIV.23), e várias cidades na Ásia em 12 a.C. (Dio, LIV.30), e por último Laodicea e Tralles (Strabo, XII.8.18; Suet. Tib. 8). A classificação do censo para um senador foi elevada de 800.000 sestércios para 1.200.000, e onde os senadores eram dignos, embora pobres, ele aumentou suas fortunas para esse montante (Suet. Augusto 41).

Fontes primárias

Fontes primárias de diversos períodos históricos. Sempre que encontrarmos alguma fonte iremos disponibilizá-la aqui, para que todos os interessados por História possam ter o acesso facilitado a esses documentos (essa seção se focará mais nas fontes escritas).

Os Feitos do Divino Augusto (Res Gestae Divi Augusti)

Fontes primárias > Roma Antiga  |  604 visualizações  |  4700 palavras  |  8,7 páginas

Salvar nos favoritos

A Res Gestae Divi Augusti ou Index rerum gestarum, isto é, os Feitos do divino Augusto, são uma narrativa escrita pelo próprio imperador romano, Augusto, antes da sua morte (14 d.C.), citando as obras realizadas durante sua longa carreira política. Há duas cópias do texto original, uma em latim na parede externa do Museu Aras Pacis em Roma, e a outra em grego nas paredes do templo de Roma e Augusto (Monumento de Ancira), na Turquia.

Imagem de capa: Res Gestae Divi Augusti em exibição no lado de fora do Museu do Ara Pacis, Roma.

Essa fonte foi traduzida pelo site Apaixonados por História.

1. Abaixo está uma cópia dos atos do Deificado Augusto pelos quais ele colocou o mundo inteiro sob a soberania do povo romano, e das quantias que ele gastou com o estado e o povo romano, gravadas em duas colunas de bronze que foram erguidas em Roma.

Aos dezenove anos, 2 por iniciativa própria e às minhas próprias custas, criei um exército3 por meio do qual devolvi a liberdade4 à república, que havia sido oprimida pela tirania de uma facção.5 Por esse serviço o Senado, com resoluções elogiosas, inscreveu-me em sua ordem, no consulado de Gaius Pansa e Aulus Hirtius, dando-me ao mesmo tempo a primazia consular pelo voto; também me deu o imperium.6 Como propretor, ordenou-me, junto com os cônsules, "tomar as medidas para que a república não sofresse nenhum dano". Além disso, no mesmo ano, como os dois cônsules haviam morrido na guerra, 7 o povo elegeu-me cônsul e triúnviro para o reestabelecimento da constituição.8

2. Aqueles que mataram meu pai9 eu dirigi para o exílio, punindo suas ações com o devido processo legal, 10 e depois quando eles travaram guerra contra a república, eu duas vezes11 os derrotei em batalha.

3. Guerras, civis e estrangeiras, empreendi em todo o mundo, no mar e na terra, e quando vitorioso, poupei todos os cidadãos que pediam perdão.12 Às nações estrangeiras que poderiam ser perdoadas com segurança, preferi salvar em vez de destruir. O número de cidadãos romanos que se uniram a mim por juramento militar foi de cerca de 500 mil. Estes, eu instalei em colônias ou mandei de volta para suas próprias cidades, após seu período de serviço, algo mais de 300 mil, e a todos designei terras, ou dei dinheiro como recompensa pelo serviço militar.13 Capturei seiscentos navios, 14 além daqueles que eram menores do que trirremes.

4. Duas vezes tive triunfos com ovação, 15 três vezes celebrei triunfos curales, 16 e fui saudado como imperador vinte e uma vezes.17 Embora o Senado tenha decretado triunfos adicionais, eu os dispensei. Depois de cumprir os votos que fizera em cada guerra, depositei no Capitólio os louros que adornavam meus fasces.18 Por operações bem-sucedidas em terra e no mar, conduzidas por mim ou por meus tenentes sob meus auspícios, o Senado em cinquenta cinco ocasiões decretou que agradecimentos deveriam ser prestados aos deuses imortais. Os dias em que tais agradecimentos foram prestados por decreto do senado chegam a 890. Em meus triunfos, foram conduzidos diante de minha carruagem nove reis ou filhos de reis.19 No momento em que escrevi estas palavras, eu tinha sido treze vezes cônsul e estava no 37º ano de meu poder tribúnício.20

5. A ditadura21 me foi oferecida pelo povo e pelo Senado Romano, na minha ausência e mais tarde quando presente, no consulado de Marco Marcelo e Lúcio Arruntius22. Não aceitei. Não recusei, na época da maior escassez de grãos, o encargo de suprimento de grãos, que administrei de tal maneira que, em poucos dias, libertei todo o povo, às minhas próprias custas, do medo e do perigo em que eles estavam.23 O consulado, tanto anual como vitalício, então foi me oferecido. Eu não aceitei.

6. No consulado de Marco Vinucius e Quintus Lucretius24, e posteriormente no de Publius e Gnaeus Lentulus25, e uma terceira vez no de Paullus Fabius Maximus e Quintus Tubero26, quando o Senado e o povo romano concordaram unanimemente que eu deveria ser eleito supervisor das leis e da moral, sem colega e com plenos poderes, recusei-me a aceitar qualquer poder que me fosse oferecido que fosse contrário às tradições de nossos ancestrais27. Aquelas coisas que naquela época o Senado desejava que eu administrasse, eu realizei em virtude do meu poder tribunício. E mesmo neste cargo eu recebi cinco vezes do Senado um colega a meu pedido.28

7. Por dez anos consecutivos, fui um dos triúnviros pelo restabelecimento da constituição.29 No dia em que escrevi isto, já era princeps senatus30 há quarenta anos. Fui pontifex maximus, áugure, membro dos quinze comissários que realizam os ritos sagrados, um dos sete que realizam as festas sagradas, um irmão arval, um sodalis Titius, um sacerdote fetial.31

8. Como cônsul pela quinta vez32, por ordem do povo e do Senado, aumentei o número de patrícios. Revisei três vezes o rol do senado33. Em meu sexto consulado, com Marcus Agrippa como colega, fiz um censo do povo34. Realizei o lustrum35 após um intervalo de quarenta e um anos. Nesta lustração, 4.063.000 cidadãos romanos foram inscritos nos registros do censo. Uma segunda vez 36, no consulado de Gaius Censorinus e Gaius Asinius, executei novamente o lustrum sozinho, com o império consular. Nesse lustrum, 4.233.000 cidadãos romanos foram incluídos no registro do censo. Uma terceira vez, com o império consular, e com meu filho Tibério César como meu colega, executei o lustrum no consulado de Sexto Pompeu e Sexto Apuleio37. Nesse lustrum, 4.937.000 cidadãos romanos foram inscritos no rolo do censo. Com a aprovação de novas leis, restaurei muitas tradições de nossos ancestrais que estavam então caindo em desuso, e eu mesmo abri precedentes em muitas coisas para a posteridade imitar38.

9. O senado decretou que a cada cinco anos39 votos deveriam ser feitos pelos cônsules e sacerdotes pela minha saúde. Em cumprimento a esses votos, jogos foram frequentemente realizados durante minha vida, às vezes pelos quatro principais colégios de sacerdotes, às vezes pelos cônsules40. Além disso, todo o corpo de cidadãos em um acordo41, tanto individualmente quanto por municípios, realizava sacrifícios contínuos por minha saúde em todos os santuários dos deuses.

10. Por decreto do senado, meu nome foi incluído no hino de Salian42 e foi promulgado por lei que minha pessoa deveria ser sagrada para sempre e que enquanto eu vivesse deveria manter o poder de tribuno43. Eu recusei ser feito Pontifex Maximus em sucessão a um colega ainda vivo, quando o povo me ofereceu aquele sacerdócio que meu pai possuía. Vários anos depois, aceitei aquele ofício sagrado quando ele finalmente estava morto, depois de tomar o cargo se aproveitando de um momento de perturbação civil. Tamanha multidão de toda a Itália se reuniu para minha eleição, no consulado de Publius Sulpício e Caio Valgius, como nunca foi registrado em Roma antes44.

11. O Senado consagrou em homenagem ao meu retorno um altar à Fortuna Redux na Porta Capena, perto do templo da Honra e da Virtude, no qual ordenou aos pontífices e às virgens vestais que realizassem um sacrifício anual no aniversário do dia em que voltei da Síria para a cidade, no consulado de Quintus Lucrécio e Marco Vinúcio, e batizei o dia, em homenagem ao meu cognome, de Augustalia45.

12. Ao mesmo tempo, por decreto do Senado, parte dos pretores e dos tribunos do povo, juntamente com o cônsul Quinto Lucrécio46 e os líderes do estado, foram enviados à Campânia para me encontrar, uma honra que até até o presente momento não foi decretada a ninguém, exceto a mim mesmo. Quando voltei da Espanha e da Gália, no consulado de Tibério Nero e Publius Quintilius, depois de operações bem-sucedidas naquelas províncias, o senado votou em homenagem ao meu retorno a consagração de um altar a Pax Augusta no Campus Martius, e neste altar ordenou que os magistrados, sacerdotes e virgens vestais fizessem sacrifícios anuais47.

13. Janus Quirinus, que nossos ancestrais ordenaram que fosse fechado sempre que houvesse paz, garantida pela vitória, em todo o domínio do povo romano em terra e no mar, e que, antes de meu nascimento, estava registrado como tendo sido fechado apenas duas vezes desde a fundação da cidade, o senado ordenou que fosse fechado três vezes enquanto eu era princeps48.

14 Meus filhos Caio e Lúcio César 49, que a fortuna arrebatou de mim em sua juventude, o senado e o povo romano, para me honrar, designaram cônsules, cada um em seu décimo quinto ano50, prevendo que cada um deveria assumir naquele cargo após um período de cinco anos51. O senado decretou que a partir do dia em que fossem apresentados ao fórum52 deveriam participar dos conselhos de estado. Além disso, todo o corpo de cavaleiros romanos deu a cada um deles o título de princeps iuventutis50 e presenteou-os com escudos de prata e lanças.

15. À plebe romana paguei 300 sestércios por homem, de acordo com a vontade de meu pai53, e em meu próprio nome, no meu quinto consulado, dei 400 sestércios por pessoa dos despojos de guerra54; além disso, uma segunda vez, no meu décimo consulado paguei com meu próprio patrimônio 400 sestércios por homem a título de generosidade55, e no meu décimo primeiro consulado fiz doze distribuições de alimentos com grãos comprados por minha própria conta56, e no décimo segundo ano do meu tribunato dei pela terceira vez 400 sestércios a cada homem57. Essas minhas dádivas alcançaram um número de pessoas nunca inferior a duzentos e cinquenta mil58. No décimo oitavo ano de meu tribunato, como cônsul pela décima segunda vez, dei a trezentos e vinte mil da plebe da cidade 60 denários cada um59. Nas colônias de meus soldados, como cônsul pela quinta vez, dei 1000 sestércios a cada homem dos despojos de guerra; cerca de cento e vinte mil homens nas colônias receberam essa generosidade triunfal60. Quando cônsul pela décima terceira vez, dei 60 denários a cada homem da plebe que então recebia grãos públicos; eram pouco mais de duzentas mil pessoas61.

16. Paguei às cidades municipais as terras que atribuí aos soldados no meu quarto consulado62 e depois no consulado de Marco Crasso e Cneu Lentulus, o áugure63. A soma que paguei pelas propriedades na Itália foi de cerca de 600 milhões de sestércios, e o valor que paguei pelas terras nas províncias foi de cerca de 260 milhões64. Fui o primeiro e único a fazer isso de todos aqueles que até a minha época estabeleceram colônias de soldados na Itália ou nas províncias. E mais tarde, no consulado de Tibério Nero e Gnaeus Piso, da mesma forma no consulado de Gaius Antistius e Decimus Laelius, e de Gaius Calvisius e Lucius Pasienus, e de Lucius Lentulus e Marcus Messalla, e de Lucius Caninius e Quintus Fabricius, paguei gratificações em dinheiro para os soldados que instalei em suas próprias cidades ao término de seu serviço, e para isso gastei 400 milhões de sestércios como um ato de graça65.

17. Quatro vezes ajudei o erário público com meu próprio dinheiro, pagando desta maneira aos responsáveis ​​da tesouraria 150 milhões de sestércios66. E no consulado de Marco Lépido e Lúcio Arruntius, contribuí com 170 milhões sestércios de meu próprio patrimônio para o tesouro militar, que foi estabelecido por meu conselho para que dele fossem pagas gratificações a soldados que tivessem feito vinte ou mais anos de serviço.

18. Começando com o ano em que Cneu e Publius Lentulus eram cônsules68, sempre que os impostos estavam atrasados, fornecia de minha própria bolsa e de meu patrimônio bilhetes para grãos e dinheiro, às vezes para cem mil pessoas, às vezes para muitos mais.

19. Construí a cúria69 e o Chalcidicum69b adjacente a ela, o templo de Apolo no Palatino com seus pórticos70, o templo do deificado Júlio71, o Lupercal 72, o pórtico do Circo Flamínio que permiti que chamassem de Octavia73 devido ao nome daquele que construiu um anterior no mesmo local, o camarote no Circo Máximo, os templos no capitólio de Júpiter Feretrius74 e Júpiter Tonans75, o templo de Quirino76, os templos de Minerva, de Juno a Rainha, e de Júpiter Libertas, no Aventino77, o templo dos Lares no ponto mais alto da Via Sacra, o templo dos Di Penates na Velia78 o templo da Juventude79, e o templo da Grande Mãe no Palatino80.

20. O Capitólio81 e o teatro de Pompeu82, ambas obras de grande custo, reconstruí sem nenhuma inscrição do meu próprio nome. Eu restaurei os canais dos aquedutos que em vários lugares estavam caindo em ruínas com o tempo, e dobrei a capacidade do aqueduto chamado Marcia transformando uma nova nascente em seu canal83. Concluí o Fórum Juliano84 e a basílica que ficava entre o templo de Castor e o templo de Saturno, obras iniciadas e muito avançadas por meu pai, e quando a mesma basílica foi destruída pelo fogo, comecei sua reconstrução em um local ampliado, para ser inscrito com os nomes de meus filhos, e ordenei que caso eu não vivesse para completá-lo, a obra deveria ser completada por meus herdeiros85. Em meu sexto consulado86, de acordo com um decreto do senado, reconstruí na cidade 82 templos dos deuses, não omitindo nenhum daqueles que no momento precisava de reparos. Como cônsul pela sétima vez87, construí a Via Flaminia da cidade a Ariminum e todas as pontes, exceto a Mulviana e a Minuciano88.

21. Em meu próprio terreno, construí o templo de Marte Vingador e o Fórum Augusto com os despojos da guerra89. Em terreno comprado em sua maior parte de proprietários privados, construí o teatro perto do templo de Apolo, que levaria o nome de meu genro Marcus Marcellus90. Dos despojos de guerra, consagrei as oferendas no Capitólio, e no templo do divino Júlio, e no templo de Apolo, e no templo de Vesta, e no templo de Marte Vingador, que me custou cerca de 100 milhões de sestércios91. Em meu quinto consulado, remeti o peso de trinta e cinco mil libras de ouro coronário92 contribuído pelos municípios e pelas colônias da Itália e, a partir de então, sempre que era saudado como imperador, não mais aceitei o ouro coronário, embora os municípios e as colônias o tenham votado com o mesmo espírito amável de antes.

22. Três vezes, em meu próprio nome, dei espetáculos de gladiadores, e cinco vezes em nome de meus filhos ou netos; nesses shows lutaram cerca de dez mil homens93. Duas vezes em meu próprio nome organizei para o povo uma exposição de atletas reunidos de todas as partes do mundo, e uma terceira vez em nome do meu neto94. Quatro vezes dei jogos em meu próprio nome; como representante de outros magistrados vinte e três vezes95. Para o colégio dos Quindecênviros, como mestre desse colégio e com Marcus Agrippa como meu colega, conduzi os Jogos Seculares no consulado de Caio Furnius e Marcus Silanus96. Em meu décimo terceiro consulado organizei, pela primeira vez, os jogos de Marte, que, desde então, os cônsules por decreto do Senado organizam em anos sucessivos em conjunto comigo97. Em meu próprio nome, ou de meus filhos ou netos, em vinte e seis ocasiões, oferece ao povo, no circo, no fórum ou no anfiteatro, caças de feras africanas, nas quais cerca de três mil e quinhentas feras foram mortas.

23. Ofereci ao povo um espetáculo de uma batalha naval além do Tibre, no lugar onde agora se ergue o bosque dos Césares, o solo tendo sido escavado por um comprimento de 548 metros e uma largura de 365 metros98. Nesse espetáculo trinta navios com aríetes, trirremes ou birremes, e um grande número de navios menores entraram em conflito. Nessas frotas lutaram cerca de três mil homens, excluindo os remadores99.

24. Depois da minha vitória100, recoloquei nos templos de todas as cidades da província da Ásia os ornamentos que meu adversário na guerra101, havia apropriado para seu uso particular depois de espoliá-los dos templos. Estátuas de prata minhas, a pé, a cavalo e em carruagens foram erguidas na cidade em número de cerca de oitenta; estas eu mesmo retirei, e o dinheiro obtido com elas coloquei no templo de Apolo como oferendas de ouro em meu próprio nome e em nome daqueles que me prestaram a honra de uma estátua.

25. Liberei o mar dos piratas. Cerca de trinta mil escravos, capturados naquela guerra, que fugiram de seus senhores e pegaram em armas contra a república, entreguei aos seus senhores para punição103. Toda a Itália voluntariamente jurou fidelidade a mim e me exigiu como seu líder na guerra em que fui vitorioso em Actium. As províncias da Espanha, da Gália, da África, da Sicília e da Sardenha fizeram o mesmo juramento de lealdade104. Entre aqueles que serviram sob meus estandartes naquela época se incluíam mais de 700 senadores105, e entre eles oitenta e três que já tinham, ou tiveram desde então, sido cônsules até o dia em que essas palavras foram escritas, e cerca de 170 foram sacerdotes.

26. Ampliei os limites106 de todas as províncias que faziam fronteira com raças ainda não sujeitas ao nosso império. As províncias dos gauleses, as espanholas e a Germânia, delimitadas pelo oceano de Gades à foz do Elba, reduzi a um estado de paz107. Os Alpes, da região que fica mais perto do Adriático até o Mar da Toscana, eu trouxe a um estado de paz sem travar em nenhuma tribo uma guerra injusta108. Minha frota navegou da foz do Reno para o leste até as terras do Cimbri nas quais, até então, nenhum romano havia jamais penetrado por terra ou por mar, e os Cimbri e Charydes e Semnones e outros povos germanos da mesma região através de seus enviados buscaram minha amizade e a do povo romano109. Por minha ordem e sob meus auspícios, dois exércitos entraram, quase ao mesmo tempo, na Etiópia e na Arábia, que é chamada de "Feliz", e forças muito grandes do inimigo de ambas as raças foram cortadas em pedaços na batalha e muitas cidades foram capturadas110. A Etiópia foi penetrada até a cidade de Nabata111, que fica ao lado de Meroë. Na Arábia, o exército avançou nos territórios do Sabaei112 até a cidade de Mariba.

27. Acrescentei o Egito ao império do povo romano113. No caso da Grande Armênia, embora pudesse tê-la tornado uma província após o assassinato de seu rei Artaxes, preferi, seguindo o precedente de nossos pais, entregar esse reino para Tigranes, filho do rei Artavasdes e neto do rei Tigranes, por meio de Tibério Nero, que era então meu enteado114. E mais tarde, quando o mesmo povo se revoltou e se rebelou, e foi subjugado por meu filho Gaio115 eu o entreguei ao rei Ariobarzanes, filho de Artabazus, rei dos medos, para governar e, após sua morte, a seu filho Artavasdes. Quando ele foi assassinado, enviei para aquele reino Tigranes, que era originário da família real dos armênios116. Eu recuperei todas as províncias que se estendiam para o leste além do mar Adriático, e Cirenae, que então estavam em sua maioria na posse de reis117 e, anteriormente118, na Sicília e na Sardenha, que foram tomadas na guerra servil.

28. Eu estabeleci colônias de soldados na África, Sicília, Macedônia, nas duas Espanha, Acaia, Ásia, Síria, Gallia Narbonensis e Pisidia. Além disso, a Itália tem vinte e oito colônias fundadas sob meus auspícios que se tornaram famosas e populosas durante minha vida119.

29. Da Espanha, Gália e dos Dálmatas120, recuperei, após vencer o inimigo, muitos estandartes militares que haviam sido perdidos por outros generais. Obriguei os partos a devolver-me os despojos e os estandartes de três exércitos romanos121, e a buscar como suplicantes a amizade do povo romano. Esses estandartes eu depositei no santuário interno que fica no Templo de Marte Vingador122.

30. As tribos dos Panonianos, nas quais nenhum exército do povo romano jamais havia penetrado antes de meu principado123, tendo sido subjugado por Tibério Nero, que era então meu enteado e meu legado124, eu coloquei sob a soberania do povo romano, e avancei na fronteira do Ilíria até a margem do rio Danúbio. Um exército de Dácios que cruzou para o sul daquele rio foi, sob meus auspícios, derrotado e esmagado, e depois meu próprio exército foi conduzido através do Danúbio e obrigou as tribos dos Dácios a se submeterem às ordens do povo romano125.

31. Muitas vezes me foram enviadas embaixadas dos reis da Índia126, algo nunca visto antes no acampamento de qualquer general dos romanos. Nossa amizade foi buscada, por meio de embaixadores, pelos Bastarnae e citas127, e pelos reis dos sármatas que moram nas duas margens do rio Tanais128, e pelo rei dos Albani129, dos Hiberi130 e dos medos.

32. O reis dos partos, Tirídates131 e depois Frates132, o filho do rei Frates, refugiaram-se comigo como suplicantes; dos Medos, Artavasdes133 dos Adiabeni134, Artaxares; dos bretões, Dumnobellaunus135 e Tim. . . . . .; do Sugambri136; Maelo; do Marcomanni e Suevi. . . . .rus. Phrates, filho de Orodes, rei dos partos, mandou todos os seus filhos e netos para mim na Itália, não porque ele havia sido vencido na guerra, mas sim buscando nossa amizade por meio de seus próprios filhos como promessas137. E um grande número de outras nações experimentou a boa fé do povo romano durante meu principado, nações que nunca antes tinham tido qualquer intercâmbio de embaixadas ou de amizade com o povo romano.

33. Os povos dos partas e dos medos receberam de mim os reis por quem pediram138 por meio de embaixadores, os principais desses povos; os partos Vonones, filho do rei Phrates, neto do rei Orodes; os medos Ariobarzanes, filho do rei Atavazdes, neto do rei Ariobarzanes.

34. Nos meus sexto e sétimo consulados139, quando extingui as chamas da guerra civil, depois de receber por consenso universal o controle absoluto dos negócios, transferi a república do meu próprio controle para a vontade do Senado e do povo romano. Por este serviço da minha parte, recebi o título de Augusto140 por decreto do Senado, e as degraus de entrada da minha casa foram cobertos de louros por ato público, e uma coroa cívica foi fixada acima da minha porta141, e um escudo dourado foi colocado na Cúria Júlia, cuja inscrição testemunhava que o Senado e o povo romano deram-me isso em reconhecimento de meu valor, minha clemência, minha justiça e minha piedade142. Depois dessa época, assumi um posição de prioridade em relação a todos, mas do poder não possuía mais do que aqueles que foram meus colegas em qualquer magistratura.

35. Enquanto eu administrava meu décimo terceiro consulado, o senado e a ordem equestre e todo o povo romano me deram o título de pai de meu país143, e foi decretado que esse título fosse inscrito no vestíbulo de minha casa e na casa do senado e no Forum Augustum sob a quadriga erguida em minha homenagem por decreto do Senado. No momento em que escrevi isto, eu estava no meu septuagésimo sexto ano144.

Sumário145


1. A soma total do dinheiro com que contribuiu para o tesouro ou para a plebe romana ou para os soldados aposentados foi de 600 milhões de denários.

2. As novas obras que construiu foram: o templo de Marte, de Júpiter Tonans e Ferétrio, de Apolo, do Deificado Júlio, de Quirino, de Minerva, da rainha Juno, de Júpiter Libertas, dos Lares, dos Di Penates, da Juventude, da Mãe dos deuses, o Lupercal, o camarote do circo, o senado com o Chalcidicum, o Fórum Augusto, a Basílica Júlia, o teatro de Marcelo,. . . . . . . . o bosque dos Césares além do Tibre147.

3. Ele restaurou o Capitólio e vários edifícios sagrados num total de oitenta e dois, o teatro de Pompeu, os aquedutos, a Via Flaminiana.

4. As despesas previstas para espetáculos teatrais, esportes de gladiadores, exibições de atletas, caça de feras e combate naval149, e seus presentes para colônias na Itália, para cidades nas províncias que foram destruídas por terremoto ou conflagração, ou a amigos e senadores individuais, cujas propriedades ele elevou à classificação exigida, são numerosos demais para serem contabilizados150.

Ver notas

TAGS

Augusto

Mais fontes de Augusto

Vidas Paralelas: Bruto, de Plutarco

Vidas Paralelas: Marco Antônio, de Plutarco

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL